Textos sobre Educação

A importância do desenho infantil nos primeiros anos de vida

Estimular a criança a desenhar, desde pequena, é importante para ajudá-la a se expressar. O desenho também é uma maneira de perceber como está o desenvolvimento dos pequenos, nas diferentes etapas da infância.

Cada criança é única, mas todas se desenvolvem. Para que possamos acompanhar esse processo, a ciência, depois de muitos estudos, definiu os Marcos de Desenvolvimento. Por meio deles, podemos observar quando uma criança parece estar distante daquilo que ela deveria vivenciar em determinada fase. Detectado algo incomum, é preciso procurar o especialista para que faça uma avaliação mais detalhada e possa analisar se existe e qual é o problema.

No dia a dia de creches e pré-escolas, o desenho é uma ferramenta lúdica importante que, juntamente com outras estratégias, nos apoia nesse acompanhamento do desenvolvimento infantil dos alunos.

Veja aqui como geralmente as crianças desenham nos primeiros anos de vida*:


1 a 2 anos de idade – garatuja desordenada: a criança não tem consciência de que o risco é a consequência de seu movimento com o lápis. Não olha para o que faz, segura o lápis de várias maneiras, com as duas mãos alternadamente. Todo o corpo acompanha o movimento enquanto faz o desenho. Faz figuras abertas (linhas verticais ou horizontais) em movimentos de vai e vem.


A partir dos 2 anos– garatuja ordenada: a criança descobre a relação traço-gesto e se entusiasma. Passa a olhar o que faz, tentando controlar o tamanho, a forma e a localização no papel, variando as cores intencionalmente. Começa a fechar suas figuras de forma circular ou espiralada.


A partir dos 3 anos – garatuja nomeada: representa intencionalmente um objeto concreto, através de uma imagem gráfica, passa mais tempo desenhando. Distribui melhor os traços pelo papel descrevendo verbalmente o que fez e começa anunciar o que vai fazer. Alguns movimentos circulares associados a verticais começam a dar forma à figura humana. A cabeça é desenhada maior do que o restante do corpo.


Dos 4 aos 6 anos – pré- esquemática: começa a descoberta da relação entre o desenho, o pensamento e a realidade. Quanto aos espaços, os desenhos são dispersos inicialmente, não relacionados entre si. A representação da figura humana evolui em complexidade e organização – aparecem lentamente os braços, as mãos, os pés, muitas vezes com vários dedos radiados, às vezes o corpo aparece. A criança desta fase não consegue organizar graficamente um todo coerente. Os objetos são desenhados de forma solta e a relação entre eles é subjetiva. Em relação à cor, a escolha é subjetiva e ligada às emoções do que está sendo vivido.

Fonte: Blog Desenvolvimento Infantil

Compartilhe

Comentários